“Eu não queria esta ao lado dos vencedores” diz Presidente do STF Cármen Lúcia sobre o reajuste aprovado pela corte

A ministra Cármen Lúcia durante sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) no início deste mês (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

A ministra Cármen Lúcia durante sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) no início deste mês (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, criticou nesta quinta-feira (9) a decisão da Corte de incluir no orçamento do tribunal para 2019 a previsão de reajuste salarial de 16,38% para os ministros.

A decisão foi tomada na noite desta terça-feira (8), em sessão administrativa do STF, por decisão da maioria dos ministros – foram 7 votos a 4. A ministra não mencionou diretamente o episódio, mas deixou claro seu descontentamento.

“Ontem perdi. Provavelmente hoje perco de novo. Mas eu não queria estar do lado dos vencedores. O que venceram e como venceram não era o que eu queria mesmo e continuo não convencida que era o melhor para o Brasil”, afirmou Cármen.

A presidente falou no enceramento do seminário “Direitos Humanos nos 30 anos da Constituição Federal e nos 70 anos da Declaração Universal”, promovido pelo Ministério dos Direitos Humanos em parceria com o Centro Universitário de Brasília.

Custo do reajuste

Atualmente, os ministros recebem R$ 33,7 mil. No ano que vem, o contracheque poderá ultrapassar R$ 39 mil. O aumento ainda depende de aprovação do Congresso e sanção do presidente da República.

Segundo estimativa feita pelas consultorias da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, a proposta de reajuste do salário dos ministros do STF teria um impacto de R$ 4 bilhões nas contas públicas, considerando o Executivo, Legislativo, Ministério Público e também os estados da federação. Com informações G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *