Policias Militares que levaram duas crianças amarradas em Caxias são afastados de suas funções

Os policiais que conduziram duas crianças, uma de 9 e outra de 10 anos, amarradas em uma corda e levadas de camburão para uma delegacia na sexta-feira (8) em Caxias, foram afastados de suas funções por determinação do Comando Geral da Polícia Militar do Maranhão (PM-MA).

Segundo o conselheiro tutelar, Anderson Feitosa, disse que o Conselho Tutelar já apurou que os meninos não estavam roubando nada. Ele acrescentou que eles apenas entraram em uma residência, que já havia sido arrombada, por curiosidade. “Criança é curiosa e aí eles foram entrar na casa para curiar e quando eles foram sair e uma pessoa já viu eles saindo e já empurrou eles para dentro e foi que começou toda essa história de dizer que as crianças estavam roubando”.

Segundo  familiares dos meninos estão bastante abalada com a exposição que tiveram diante de populares. A mãe de uma das crianças, que prefere não se identificar, revelou que entrou em desespero quando soube que o filho havia sido amarrado. “É uma sensação muito ruim. Eu entrei em desespero na hora”.

Crianças de 9 e 10 anos não poderiam ser levadas para delegacia, segundo o Conselho Tutelar — Foto: Reprodução/TV Mirante

Crianças de 9 e 10 anos não poderiam ser levadas para delegacia, segundo o Conselho Tutelar — Foto: Reprodução/TV Mirante

O presidente da secção da Ordem dos Advogados (OAB) de Caxias, Agostinho Neto, afirmou que vai entrar com uma representação junto ao Ministério Público e classificou o caso como absurdo. “Eles foram conduzidos como criminosos na parte detrás do camburão que é uma reprovação sem tamanho”.

O secretário Estadual de Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves, determinou uma apuração rigorosa desse caso e defende a expulsão dos policiais militares. “Os policiais já foram afastados, estão respondendo a inquérito militar e serão julgados. Diante da gravidade do fato é caso para expulsão da corporação, já que cabe a Polícia Militar zelar pela integridade física e pela dignidade das pessoas de acordo com a lei e de acordo com a declaração universal dos direitos humanos. No caso daquelas crianças elas foram violadas na integridade física e na dignidade delas, e isso a legislação brasileira é bastante clara, tanto no Estatuto da Criança e do Adolescente como Súmula do STF”, pontuou.

Com informações do G1MA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *