Criado o Instituto Histórico e Geográfico de Arari Maranhão

O município de Arari fundou mais uma importante instituição de cunho cultural e científico especificamente voltada para a pesquisa e para o conhecimento no âmbito da História e da Geografia.
Trata-se do Instituto Histórico e Geográfico de Arari (IHGA), que, a exemplo do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM) e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), a entidade local terá por objetivo coligir, metodizar, publicar ou arquivar os documentos necessários para a História e a Geografia do Brasil, do Maranhão e de Arari, respectivamente.
A instituição arariense, também como as demais respeitará os preceitos de correspondência com as demais associações congêneres do mundo e, com certeza, a publicação da Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Arari, impressa e digital como acontece com as entidades do âmbito estadual e nacional.
Segundo informações prévias dos idealizadores e organizadores da fundação e instalação do IHGA, a entidade manterá vínculo direto com as duas academias de letras atuantes em Arari, a Academia Arariense de Letras, Artes e CIências (ALAC) e Academia Arariense-Vitoriense de Letras (AVL).
O Instituto é uma iniciativa do pesquisador, escritor e jornalista arariense, João Francisco Batalha, acompanhado, por  Adenildo Bezerra, Rômulo Soares, Cleilson Fernandes, Manoel Messias, Isidoro Oliveira Filho e Leonardo Bastos.
No dia 13 de março foi realizada a sessão de fundação da instituição.

ATA DA REUNIÃO DE FUNDAÇÃO E ELEIÇÃO DA DIRETORIA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE ARARI – IHGA. Aos treze dias do mês de abril de dois mil e dezenove, sábado, às 10 horas da manhã, no salão da residência do senhor João Francisco Batalha, localizado à rua Zuleide Bogéa, em Arari, Maranhão, reuniram-se, conforme assinatura no livro de frequência, os senhores João Francisco Batalha, Romulo de Jesus Soares, Adenildo de Jesus Costa Bezerra, Francisco de Assis Bogéa, José Cleilson Fernandes, Isidoro Oliveira Filho, Terezinha Maria Bogéa Gusmão, William Carboni Viana, Pedro Oliveira Dutra Neto e José Leonardo Bastos Júnior, para a fundação, eleição e posse da Diretoria do Instituto Histórico e Geográfico de Arari (IHGA). O senhor João Francisco Batalha, por unanimidade, foi escolhido para presidir a reunião e, de imediato, indicou Adenildo de Jesus Costa Bezerra para secretariar a mesma. Batalha iniciou dando boas-vindas a todos e explicando os motivos do encontro. Em seguida, colocou em discussão o primeiro ponto que foi a denominação de “Casa de Brandt e Silva” para a instituição. A assembleia concordou prontamente. Alguns integrantes se pronunciaram sobre a decisão. Isidoro Oliveira Filho disse que a homenagem é justa devido o grande legado deixado por Brandt e Silva à história de Arari. Cleilson Fernandes disse que Brandt e Silva foi pioneiro na pesquisa e publicação sobre acontecimentos históricos ocorridos na cidade de Arari, devido isso, também achava justa a denominação de Casa Brandt e Silva ao Instituto. O presidente colocou outro ponto em discussão, de que os membros-fundadores do Instituto seriam também Patronos de suas respectivas Cadeiras. Essa proposta foi também acatada por unanimidade. Cleilson Fernandes propôs que a numeração das cadeiras dos Patronos-fundadores seguisse a mesma ordem de assinatura no livro de frequência. Desse modo, ficou assim a numeração das Cadeiras: Cadeira 1, João Francisco Batalha; Cadeira 2, Romulo de Jesus Soares; Cadeira 3, Adenildo de Jesus Costa Bezerra; Cadeira 4, Francisco de Assis Bogéa; Cadeira 5, José Cleilson Fernandes; Cadeira 6, Isidoro Oliveira Filho; Cadeira 7, Terezinha Maria Gusmão Bogéa; Cadeira 8, William Carboni Viana; Cadeira 9, Pedro Oliveira Dutra Neto; e Cadeira 10, José Leonardo Bastos Júnior. O Instituto Histórico e Geográfico de Arari contará com trinta Cadeiras. Assim, as outras vinte Cadeiras serão escolhidas na próxima reunião, marcada para esse fim, no dia 1º de junho. O sócio fundador, Adenildo Bezerra, fez a sugestão de treze nomes de eminentes ararienses que poderiam figurar como Patronos do Sodalício. Alguns nomes foram prontamente aceitos, como, por exemplo, o nome de José Ribamar Brito e José Joaquim Aranha Maciel. Batalha também citou os importantes nomes, a título de sugestão, que poderiam ser Patronos do IHGA. O confrade Pedro Neto, falou brevemente sobre um trabalho de pesquisa que vem realizando acerca de alguns cidadãos ararienses de prestígio social e cultural. Ele falou do desejo de publicar esse trabalho e oferta-lo gratuitamente à comunidade arariense. Para isso, pediu apoio do Instituto nesse desiderato. Ficou definido, alterando o Estatuto, que as reuniões e sessões solenes do IHGA acontecerão, ordinariamente, no mínimo, a cada dois meses ou quando a Presidência achar necessário. A instalação do IHGA acontecerá dia 1º de junho, às 19 horas, em sessão solene aberta à comunidade. O presidente, João Batalha, definiu uma comissão, composta por Cleilson Fernandes, Adenildo Bezerra, Tereza Bogéa e Romulo Soares, para definiram os detalhes do modelo e da cor pelerine representativo dos membros da entidade. Ficou acertado, ainda, que cada membro-fundador ou efetivo pagará uma anuidade de R$ 100,00 (cem reais), além de arcar com as despesas com suas vestimentas acadêmicas. Não havendo mais pontos para discussão, o presidente iniciou a votação para escolha da primeira
Diretoria do Instituto Histórico e Geográfico de Arari. Cada membro recebeu uma cédula de votação, e, secretamente, votou para preenchimento dos cargos que compõem a Diretoria, a saber: Presidente, Vice-presidente, Secretário Geral, Secretário Adjunto, Diretor Financeiro, Diretor de Biblioteca e Arquivos, Diretor de Editoração e Diretor de Relações Públicas, além do Conselho Fiscal. Após todos haverem votado, iniciou-se a apuração dos votos. Daí, a Diretoria ficou assim composta: Presidente, João Francisco Batalha; Vice-presidente, Adenildo de Jesus Costa Bezerra; Secretário Geral, Romulo de Jesus Soares; Secretária Adjunta, Terezinha Maria Bogéa Gusmão; Diretor Financeiro, Isidoro Oliveira Filho; Diretor de Biblioteca e Arquivo, William Carboni Viana; Diretor de Editoração, Cleilson Fernandes; Diretor de Relações Públicas, José Leonardo Bastos Júnior. O Conselho Fiscal ficou composto por: Presidente, Francisco de Assis Bogéa; Relator, Pedro Oliveira Dutra Neto. Nada mais havendo para o momento, eu, Adenildo de Jesus Costa Bezerra, lavrei a presente ata que, após apreciação, será assinada por mim e por todos os presentes.
Arari, 13 de abril de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *