Candidatos do Enem já podem consultar local onde farão provas a partir desta sexta-feira (20)

acesso ao cartão de confirmação da inscrição será liberado às 10h e estará disponível na Página do Participante. ( Foto: Divulgação)

BRASÍLIA – Os candidatos que vão participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem consultar o local onde farão as provas a partir de amanhã (20). O acesso ao cartão de confirmação da inscrição será liberado às 10h e estará disponível na Página do Participante e também no aplicativo do Enem, nas plataformas Android e iOS.

Para acessar o cartão basta fornecer o número do CFP e a senha cadastrada na inscrição. Além do local de prova, o documento também informa o número de inscrição, a data e a hora das provas, a opção de língua estrangeira escolhida e os atendimentos específicos e/ou especializados, caso tenham sido solicitados.

Para aqueles participantes que esqueceram a senha, mas lembram o e-mail cadastrado, será enviada uma nova senha. Já o participante que não se lembra da senha, nem do e-mail, mas se lembra do telefone cadastrado, pode receber a nova senha por SMS.

Antes de acessar as informações, os participantes deverão ler um aviso sobre a declaração de comparecimento. A partir desta edição do Enem, o participante que precisar comprovar sua presença na prova deverá imprimir e levar a declaração personalizada, disponível na Página do Participante. No dia da prova, ele deverá apenas colher a assinatura do coordenador de local de prova.

Recomendação

Após conhecer o lugar onde fará a prova, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) recomenda que todos façam o trajeto antes do dia do Enem e verifiquem a distância, o tempo gasto e a melhor forma de chegar ao seu local de prova, para evitar atrasos no dia da aplicação.

Apesar de não ser obrigatório, o Inep recomenda que os candidatos levem o cartão de confirmação no dia da prova para para facilitar o acesso às informações de sua inscrição.

Neste ano, a prova do Enem será realizada em dois domingos. Em 5 de novembro, serão aplicadas as provas de linguagens, códigos, redação e ciências humanas. No dia 12 de novembro será a vez das provas de ciências da natureza e matemática. O exame será aplicado em 1.724 municípios, para 6.731.203 inscritos.

 Com Informações do Imirante.com
Share Button

Trabalho escravo no Maranhão ocorre em condições degradantes em mais de 60% dos casos

Por G1 MA, São Luís

Em Setembro, trabalhadores do Ceará foram resgatados no Maranhão (Foto: Divulgação / PRF)

Em Setembro, trabalhadores do Ceará foram resgatados no Maranhão (Foto: Divulgação / PRF)

O Ministério Público do Trabalho no Maranhão (MPT-MA) divulgou nesta quinta-feira (19) que 61,5% dos procedimentos em curso sobre trabalho semelhante ao escravo no Estado envolvem condições degradantes. O trabalho ocorre em alojamentos inadequados, sem água potável e onde não há banheiros, nem alimentação suficiente.

Atualmente, 52 procedimentos estão em curso no MPT-MA. Desses, 32 envolvem condições degradantes, 11 possuem jornada exaustiva, 6 apresentam servidão por dívida e 3 submeteram as vítimas ao trabalho forçado.

De acordo com o órgão, nos casos de jornada exaustiva os trabalhos envolvem esforço excessivo, sobrecarga ou jornadas longas e intensas. A servidão por dívida acontece quando o trabalhador adquire um débito vinculado ao serviço; enquanto o trabalho forçado ocorre quando a pessoa é mantida no serviço por meio de fraudes, isolamento geográfico, ameaças, violências físicas ou psicológicas.

Os quatro elementos violam os direitos fundamentais e fere a dignidade do trabalhador, colocando em risco a saúde e a vida das vítimas, segundo o MPT-MA.

Na última segunda-feira (16), a Portaria Nº 1129/2017 modificou as características do trabalho análogo ao escravo. Desse modo, passou a ser exigida a restrição de liberdade de locomoção do trabalhador e a manutenção de segurança armada pelo empregador. Após o anúncio, o Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério Público Federal (MPF) recomendaram a revogação da Portaria ao Ministério do Trabalho (MTB) por considerarem a publicação inconstitucional e contrária ao que prevê o Código Penal e as Convenções 29 e 105 da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Share Button

Ministro do STF Edson Fachin manda soltar homem preso com Geddel no episódio dos R$ 51 milhões

Por Renan Ramalho, G1, Brasília

Gustavo Ferraz era diretor-geral do Defesa Civil de Salvador (Foto: Divulgação / Secom)

Gustavo Ferraz era diretor-geral do Defesa Civil de Salvador (Foto: Divulgação / Secom)

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltar o ex-diretor-geral da Defesa Civil de Salvador Gustavo Ferraz, preso no início de setembro com o ex-ministro Geddel Vieira Lima.

As digitais de Ferraz foram encontradas em notas de dinheiro, apreendidas em um apartamento em Salvador, ligado a Geddel. Na ocasião, a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões escondidos em malas e caixas. Segundo a PF, o dinheiro pertence ao ex-ministro e é oriundo de propina.

Na decisão, o ministro do STF determinou que Ferraz permaneça em prisão domiciliar, não use telefone ou internet nem exerça qualquer função pública.

Além disso, ficará proibido de ter contato com outros investigados no caso e seus familiares. Por fim, deverá usar tornozeleira eletrônica e pagar fiança de R$ 93.700.

Desde setembro, Ferraz está detido no presídio da Papuda, em Brasília, e já teve outros pedidos de liberdade negados.

No dia 19 de setembro, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou liberdade a Ferraz. Na decisão, o ministro Rogerio Schietti Cruz disse haver descrição detalhada do envolvimento de Ferraz para esconder os valores, além de indícios que o vinculam à possível propriedade do dinheiro.

PF encontra caixas e malas com dinheiro em apartamento que seria utilizado por Geddel (Gnews) (Foto: Reprodução GloboNews)

PF encontra caixas e malas com dinheiro em apartamento que seria utilizado por Geddel (Gnews) (Foto: Reprodução GloboNews)

Share Button